Vou Seguindo



Aos trancos e barrancos
Vou seguindo...
Pois espaços necessitam de meus passos
E estes não podem ser contidos...

Seguir não impede os tropeços,
Nem calos nos pés andarilhos
Nem as dores das quedas nos machucados,
Expostos no corpo exaurido.

E as d'alma que trago em segredo comigo.
As mãos que escondem lágrimas entre dedos,
Estas que tem marcas de espinhos,
São as mesmas que pétalas que esperanças acariciam...

Estas sempre nascem,
No terreno árido de corações doridos.
Sigo.

No fim
Os trancos são impulsos para novo movimento.
Os barrancos,
Apoios para o corpo ressentido,
Noutros momentos
São degraus para os próximos passos
Pois sempre existem novos espaços a serem preenchidos.
Estou vivo.

E viver é tudo!
Alegrias e prantos...
Sucessos e fracassos...
Ditados pela sorte ou pelo destino,
Me pergunto.

Quase nunca pelo acaso,
Suspeito comigo.
Mas quase sempre
Por se cruzar os braços,
Creio cá em meu intimo.
 (Edvaldo Rosa)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...