Homenagem a Mulher



Mulher

Tu,
Sublime criatura,
Instrumento divinal
A conceber nossa existência...

Em teu ventre,
Este oceano acolhedor que nutri e gera o mundo,
A própria vida se renova...
Ao te deixarmos
Todos os sons, todas as cores nos assustam,
Então, tua impressão em nosso olfato nos acalma...

Mulher:
Esplendor escultural,
Cândida e bela.
Convicção inexorável que és puro amor...
Em teu percurso,
Suas escolhas são tão nossas...
Em tuas mãos os seus afagos... Nosso norte!
A orientar-nos por caminhos ignorados... (tantas vezes)

Mulher, tu que em teu carinho se agiganta,
Abraça o mundo que é tão teu por teu valor
E cuida que a vida em tua vida se renove, posto que,
Em teu ventre-oceano, vive em plenitude o nobre amor.

Paulo Roberto Cunha





Mulher

Em ti me realizo
Amor de Mãe
Amor de Mulher
... Amor de Amiga

Tua luz dá vida às cores
Teu brilho luz ao Sol
Do teu ventre o milagre da vida
Bendita És Tu, Mulher querida...

Alex Avena



Mulher

Num dia de sol escaldante
Sinto meu corpo exaltado
E um furor de vida pulsante
Incontinente, liberto num brado:

... Existem as polaridades
Que compõem este plano
Uma é fogo, guerra, Ares,
Macho, desvairado humano.

Outra é água, Vida florescente
Nascida no ventre de Ceres
Há motivo melhor pra ser vivente
Senão pra venerar as mulheres?

São ninfas, são deusas, Energia!
Fonte infalível de beleza, Magia!

São doces quando aprendendo
Tanto afeto à fonte de conhecimento
Amazonas ferozes, pós nascimento,
Defendendo as crias, corações ardendo!

Senhora das Águas e da Terra!
Nasce no teu ventre, como tudo,
O fim desta ancestral guerra,
No peito dos homens de escudo.

Sua vestimenta é dura e impenetrável
Por qualquer arma criada por seus ferreiros
Somente teu amor inabalável
Pode desarmar esses guerreiros!

Não te descaminhe, Mulher, da tua missão,
Carregas em ti a esperança do mundo
És cálice protetor da Chama da Evolução
Ponte que liga a Consciência ao Profundo.

Alexandre Tavares
 


Mulher

Elas sorriem quando querem gritar
Elas cantam quando querem chorar
Elas choram quando estão felizes
E riem quando estão nervosas

Elas brigam por aquilo que acreditam
Elas levantam-se para injustiça
Elas não levam "não" como resposta
Quando acreditam que existe melhor solução

Elas andam sem novos sapatos
Para suas crianças poder tê-los
Elas vão ao médico com uma amiga assustada
Elas amam incondicionalmente

Elas choram quando suas crianças adoecem
E se alegram quando suas crianças ganham prêmios
Elas ficam contentes quando ouvem sobre um aniversário
Ou um novo casamento

Pablo Neruda

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...