Sobre a Comida e a Bebida - Khalil Gibran



E depois um velho Dono de uma estalagem, disse:

 Fala-nos da Comida e da Bebida.

E ele respondeu:

Deverieis viver da fragrância da terra, e, tal como uma planta, sustentar-vos com a luz.

Mas como tens que matar para comer, e retirar o recém nascido do leite da sua mãe para aplacar a vossa sede, então fazei disso um ato de veneração, e fazei um altar onde os puros e inocentes da floresta e da planície sejam sacrificados para aquilo que é mais puro e ainda mais inocente no homem.

Quando matares um animal, dizei-lhe com todo o coração:

– Pelo mesmo poder com que te abato, também eu sou abatido, e também eu serei consumido.
Porque a lei que te entregou em minhas mãos, me irá entregar a uma mão mais poderosa.
O teu sangue é o meu sangue, mas não são do que a seiva que alimenta a árvore do céu.

E quando esmagares uma maçã com os vossos dentes, dizei com todo o vosso coração:

– As tuas sementes viverão no meu corpo, e os botões do teu amanhã florescerão no meu coração, e a tua fragrância será a minha respiração, e juntos nos regozijaremos em todas as estações.

E no outono, quando colherdes as uvas das vossas vinhas, dizei com todo o coração:

– Também eu sou uma vinha e o meu fruto será colhido para o lagar. E, tal como o vinho novo, serei conservado em jarros eternos.

E no inverno, quando provardes o vinho, que haja no vosso coração uma canção para cada taça.
E que na canção haja a recordação dos dias de outono, da vinha e do lagar.

Trecho do livro O Profeta, de Khalil Gibran

Um comentário:

  1. Maravilhoso texto, humildade, reverência, lucidez!Deus fala pela boca dos poetas.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...