Especial Mandela



O mundo perde um dos maiores homens da história.
Líder rebelde símbolo da luta contra a segregação racial, ganhador do Prêmio Nobel da Paz de 1993, presidente da África do Sul de 1994 a 1999, Nelson Mandela faleceu no dia5 de dezembro de 2013 em Joanesburgo, vítima de uma infecção pulmonar.

Nelson Rolihlahla Mandela nasceu no dia 18 de julho de 1918 numa pequena aldeia do interior, próximo a Pretória. Era membro de uma família de nobreza tribal, e aos 23 anos seguiu para a Johanesburgo, onde iniciou o curso de Direito vindo a abandonar a Universidade Fort Hare no começo dos anos 40, antes de se formar. Junto a Oliver Tambo e Walter Sisulo, fundou a Liga Jovem do Congresso Nacional Africano (CNA), tornando-se assim, líder da resistência não-violenta da juventude negra em luta.
Trocou os protestos pacíficos pelo confronto armado após o Massacre de Sharpeville, ocorrido em 21 de Março de 1960, onde policiais atiraram contra manifestantes negros desarmados que protestavam contra a Lei do Passe, que obrigava os negros da África do Sul a usarem uma caderneta na qual estava escrito aonde eles poderiam ir. 69 pessoas morreram e cerca de 180 ficaram feridas. Após este dia, a opinião pública mundial focou sua atenção pela primeira vez na questão do apartheid.

Perseguido pela polícia, foi preso em 1963 e condenado a prisão perpétua, acusado de sabotagem e conspiração contra o governo.

No Julgamento de Rivonia (1963), acusado de crimes puníveis com a pena de morte, Mandela fez do banco dos réus uma declaração que entrou para a história como seu testemunho político.

  • “Eu estimo o ideal de uma sociedade livre e democrática, na qual todas as pessoas convivam em harmonia e com oportunidades iguais. Esse é um ideal ao qual pretendo dedicar minha vida e que pretendo alcançar. No entanto, se for preciso, esse é um ideal pelo qual estou disposto a morrer.”

Recusou revisão de pena e liberdade condicional em troca de abandonar seus ideais políticos e não incentivar a liberdade racial.

Em 02 de fevereiro de 1990, Frederik Willem de Klerk, último presidente branco da África do Sul, finalmente legalizou o CNA e outros movimentos de libertação. Com isto, Mandela foi solto no dia 11 de fevereiro de 1990 e, em um evento transmitido mundialmente, disse que continuaria lutando pela igualdade racial no país.

Mandela encabeçou uma série de articulações políticas que culminaram nas primeiras eleições democráticas e multirraciais da África do Sul, em 27 de abril de 1994. Tornou-se o primeiro líder negro do país e também o mais velho, com 75 anos. Ele tomou posse em 10 de maio de 1994. Como presidente dedicou-se a reconciliação entre brancos e negros, implantou um sistema de saúde, educação e saneamento básico. Mudou a Bandeira, o Hino e a Constituição do país. Seu governo foi marcado por políticas antiapartheid, reformas sociais e na área da saúde.

Após o fim do mandato de presidente, em 1999, Mandela voltou-se para a causa de diversas organizações sociais e de direitos humanos e dedicou-se à luta contra a AIDS e pobreza.

  • "AIDS não é mais só uma doença, é uma questão de direito humano. Como eu fiquei preso com uma sentença de prisão perpétua, as pessoas infectadas pelo HIV vivem com uma condenação para a vida toda. Temos os remédios e as formas de livrar as pessoas desta condenação em mãos. Precisamos agir juntos para fazer esta ajuda chegar as pessoas necessitadas."

Em 2004, aos 85 anos, Mandela retirou-se da vida pública para dedicar-se a sua família.

Muitos sul-africanos se referiam a Nelson Mandela como Madiba, o seu nome de clã, como sinal de proximidade e carinho. Madiba foi o pai terno e sábio de uma nação transformada, assim como um verdadeiro estadista.

Mandela ficou preso por 27 anos, mas conseguiu acabar com o apartheid em seu país. Foi o primeiro presidente negro da África do Sul e é considerado um dos líderes mais importantes da História da Humanidade.

Discurso de Posse - 1994

Vossas Majestades
Suas Altezas
Distintos convidados
Camaradas e amigos

Hoje, através da nossa presença aqui e das celebrações que têm lugar em outras partes de nosso país e do mundo conferimos glória e esperança à liberdade recém-conquistada. Da experiência de um extraordinário desastre humano que durou demais deve nascer uma sociedade da qual toda a humanidade se orgulhará.
Os nossos comportamentos diários como sul-africanos deve produzir uma realidade sul-africana que reforce a crença da humanidade na justiça, fortaleça a sua confiança na pobreza da alma humana e alente as nossas esperanças de uma vida gloriosa para todos. Devemos tudo isto a nós próprios e aos povos do mundo, hoje aqui tão bem representados.
Aos meus compatriotas eu não tenho nenhuma hesitação em dizer que cada um de nós está tão intimamente enraizado no solo deste belo país como estão as célebres jacarandás de Pretória e as mimosas de Bushveld. Cada vez que um de nós toca o solo desta terra, experimentamos uma sensação de renovação pessoal. O clima da não muda com as estações. Somos movidos por um sentimento de alegria e emoção quando a erva se torna verde e as flores desabrocham.
Esta união espiritual e física que compartilhamos com esta pátria comum explica a profunda dor que trazíamos no nosso coração quando víamos o nosso país despedaçar-se num terrível conflito. E quando o víamos desprezado, proscrito e isolado pelos povos do mundo, precisamente por se ter tornado a sede universal da perniciosa ideologia e prática do racismo e da opressão racial, nós, o povo sul-africano, nos sentimos realizados pelo fato da humanidade nos ter de novo acolhido no seu seio; por nós, proscritos até há pouco tempo, termos recebido hoje o privilégio de acolhermos as nações do mundo no nosso próprio território.
Agradecemos a todos os nossos convidados internacionais ilustres por terem vindo tomar posse juntamente com nosso povo, daquilo que é, afinal, uma vitória comum pela justiça, pela paz e pela dignidade humana. Acreditamos que continuarão a nos apoiar á medida que enfrentarmos os desafios da construção da paz, da prosperidade, não sexismo, não racismo e democracia.
Apreciamos sinceramente o papel desempenhado pelas massas do nosso povo, pelos líderes das suas organizações democráticas políticas, religiosas, mulheres, jovens, empresas, tradicional e outros líderes têm desempenhado para realizar esta conclusão. Não menos importante, entre eles é o meu segundo Vice-Presidente, o distinto F. W. de Klerk, que é um dos mais eminentes.
Também gostaríamos de prestar homenagem às nossas forças de segurança, a todas as suas patentes, pelo destacado papel que desempenharam para garantir as nossas primeiras eleições democráticas e a transição para a democracia, nos protegendo das forças sanguinárias que ainda se recusam a ver a luz.
Chegou o momento de sarar as feridas.
Chegou o momento de transpor os abismos que nos dividem.
Chegou o momento de construir.
Conseguimos, finalmente, a nossa emancipação política.
Nos comprometemos a libertar todo o nosso povo do continuado cativeiro da pobreza, das privações, sofrimento, gênero e outras discriminações.
Conseguimos levar nossos últimos passos para a liberdade em condições de relativa paz.
Nos comprometemos a construir uma paz completa, justa e duradoura.
Temos triunfado no esforço de levar esperança ao peito de milhões de nossos compatriotas.  Assumimos o compromisso de construir uma sociedade na qual todos os sul-africanos, quer sejam negros ou brancos, possam caminhar de cabeça erguida, sem receio no coração, certos do seu inalienável direito a dignidade humana. Uma nação arco-íris, em paz consigo mesma e com o mundo.
Como símbolo do seu compromisso de renovar o nosso país, o novo Governo Provisório de Unidade Nacional abordará, com maior urgência, a questão da anistia para várias categorias de nosso povo que estão atualmente servindo pena de prisão. O novo Governo Provisório de Unidade Nacional abordará, com maior urgência e do resto do mundo que sacrificaram, em muitos aspectos, e entregaram suas vidas para que nós pudéssemos ser livres. Os seus sonhos tornaram-se realidade. A sua recompensa é a liberdade. Me sinto, ao mesmo tempo, humilde e elevado pela honra e privilégio que o povo da África do Sul depositaram em nós, como o primeiro presidente de uma unida, democrática, não racista, não sexista África do Sul, para levar nosso país para fora do vale das trevas.
Mesmo assim, temos consciência de que o caminho para a liberdade não é fácil. Sabemos muito bem que nenhum de nós pode ser bem-sucedido agindo sozinho. Devemos, portanto, atuar juntos como um povo unido pela reconciliação nacional, como o primeiro presidente de uma união pelo nascimento de um novo mundo. Que haja justiça para todos. Que haja paz para todos. Que haja trabalho, pão, água e sal para todos. Que cada um de nós saiba que seu corpo, sua mente e sua alma, foram libertados para se realizarem. Nunca mais esta maravilhosa terra voltará a experimentar a opressão de uns sobre os outros e nem sofrerá a indignidade de ser a escória do mundo.
O sol nunca se porá sobre o tão glorioso feito humano.
Que reine a liberdade!
Deus salve a África!
Obrigado.

Nosso Medo Mais Profundo - Nelson Mandela

Nosso medo mais profundo não é que sejamos inadequados.
Nosso medo mais profundo é que sejamos poderosos demais.
É nossa sabedoria, nossa luz,
Não nossa ignorância, nossa sombra,
O que mais nos apavora.
Perguntamo-nos:
‘Quem sou eu para ser brilhante, belo, talentoso, fabuloso?’
Na verdade, por que você não seria?
Você é um filho de Deus.
Seu medo não serve ao mundo.
Não há nada de iluminado em se diminuir para que outras pessoas não se sintam inseguras perto de você.
Nascemos para expressar a Glória de Deus que há em nós.
Ela não está em apenas alguns de nós;
Está em todas as pessoas.
E quando deixamos que essa nossa luz brilhe,
Inconscientemente permitimos que outras pessoas façam o mesmo.
Quando nos libertamos de nosso medo,
Nossa presença automaticamente liberta as outras pessoas.

Our deepest fear is not that we are inadequate.
Our deepest fear is that we are powerful beyond measure.
It is our light, not our darkness, that most frightens us.
‘We ask ourselves, who am I to be brilliant, gorgeous, talented, and fabulous?’
Actually, who are you not to be?
You are a child of God.
You’re playing small doesn’t serve the world.
There’s nothing enlightened about shrinking so that other people won’t feel insecure around you.
We are all meant to shine, as children do.
We are born to make manifest the glory of God that is within us.
It’s not just in some of us, it’s in everyone.
And as we let our own light shine,
We unconsciously give other people permission to do the same.
As we are liberated from our own fear,
Our presence automatically liberates others.

Frases

  • Depois de escalar uma grande montanha se descobre que existem muitas outras montanhas para escalar.
  • A bondade do homem é uma chama que pode ser escondida, mas nunca extinta.
  • Se você fala com um homem numa linguagem que ele compreende, o recado entra na cabeça dele. Se você fala com um homem em sua língua, o recado vai para o seu coração.
  • Lidere de trás e deixe os outros acreditarem que eles estão à frente.
  • Você não encontrará nenhuma paixão se se conforma com uma vida que é inferior àquela que é capaz de viver.
  • Se você quer fazer as pazes com seu inimigo, você tem que trabalhar com seu inimigo. Assim, ele se torna seu parceiro.
  • Ser livre não é apenas se livrar das correntes que lhe prendem, mas viver sendo capaz de respeitar e engrandecer a liberdade dos outros.
  • Você não é amado porque você é bom, você é bom porque é amado.
  • Eu sou o capitão da minha alma.
  • Devemos promover a coragem onde há medo , promover o acordo onde existe conflito, e inspirar esperança onde há desespero.
  • Perdoem. Mas não esqueçam!
  • Você não encontrará nenhuma paixão se se conforma com uma vida que é inferior àquela que é capaz de viver.
  • Ninguém nasce odiando as pessoas por causa da cor de sua pele, ou por seu passado, ou por sua religião. As pessoas aprendem a odiar e, se elas podem aprender a odiar, elas também podem aprender a amar - já que amar é um sentimento que vem com mais naturalidade ao coração humano do que o seu oposto.
  • A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo.
  • O bravo não é quem não sente medo, mas quem o vence.
  • Não me julgue pelo meu sucesso. Me julgue por quantas vezes eu caí e consegui me levantar.
  • Não há nada como regressar a um lugar que está igual para descobrir o quanto a gente mudou.
  • Uma boa cabeça e um bom coração formam uma combinação formidável. Mas quando você adiciona a isso uma língua ou uma caneta alfabetizada, aí você tem algo realmente muito especial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...