Um Boato


Um Boato é uma espécie de enjeitadinho
Que aparece à soleira duma porta,
Num canto de muro,
Ou mesmo no meio d’uma rua ou d’uma calçada,
Ali abandonado não se sabe por quem;
Em suma,
Um recém-nascido de genitores ignorados.

Um popular acha-o engraçadinho,
Ou monstruoso,
Toma-o nos braços, nina-o,
Passa-o depois ao primeiro conhecido que encontra,
O qual,
Por sua vez,
Entrega o inocente ao cuidado de outro ou de outros.

E assim,
O bastardinho vai sendo amamentado de seio em seio
Ou melhor,
De imaginação em imaginação.

E em poucos minutos cresce,
Fica adulto…
Tão substancial e dramático é o leite da fantasia popular.

Começa a caminhar pelas próprias pernas,
A falar com a própria voz e,
Perdida a inocência,
A pensar com a própria cabeça desvairada.

Há um momento em que se transforma num gigante,
Maior que os mais altos edifícios da cidade,
Causando temores e, às vezes,
Até pânico entre a população,
Apavorando até mesmo aquele
Que inadvertidamente o gerou.
Érico Veríssimo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...