Poema do Milho

Sou a planta humilde
Dos quintais pequenos e das lavouras pobres;
Meu grão, perdido por acaso, nasce e cresce na terra descuidada;
Ponho folhas e haste…
E se me ajudares Senhor,
Mesmo planta de acaso,
Solitária,
Dou espigas e devolvo em muitos grãos o grão perdido inicial
Salvo por milagre, que a terra fecundou.

Sou a planta primária da lavoura.
Não me pertence a hierarquia tradicional do trigo.
E de mim, não se faz o pão alvo, universal.

O Justo não me consagrou Pão da Vida,
Nem lugar me foi dado nos altares.

Sou apenas o alimento forte e substancial
Dos que trabalham a terra,
onde não vinga o trigo nobre.

Sou de origem obscura e de ascendência pobre.
Alimento de rústicos e animais do jugo.

Fui o angu pesado e constante do escravo na exaustão do eito;
Sou a broa grosseira e modesta do pequeno sitiante;
Sou a farinha econômica do proletário;
Sou a polenta do imigrante
E a miga dos que começam a vida em terra estranha.

Sou apenas a fartura generosa e despreocupada dos paióis;
Sou o cocho abastecido donde rumina o gado;
Sou o canto festivo dos galos na glória do dia que amanhece;
Sou o cacarejo alegre das poedeiras à volta dos seus ninhos.

Sou a pobreza vegetal,
Agradecida a Vós, Senhor,
Que me fizeste necessária e humilde
Sou o milho.
Cora Coralina

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...