O Rosto Atrás do Rosto

À frente do rosto dele estava um outro rosto desconhecido. 
E o outro rosto não se movia.

Então ele viu o outro rosto. E era lindo, o outro rosto.
Ele ficou olhando, encantado com tanta beleza.
Mas o outro rosto não se movia.

Era tão bonito o outro que ele não resistiu à tentação de tocá-lo.
Talvez não devesse, pensou.
Quando pensou, já era tarde demais.
Tinha estendido a mão para tocar devagarinho na pele do outro rosto.
Deslizou as pontas dos dedos pela pele macia do outro rosto.
O outro rosto não se movia.

Tão bonito, o outro rosto sob seus olhos e tão macia a pele do outro rosto sob seus dedos, que num impulso aproximou ainda mais seu próprio rosto. 
Tão próximo agora que conseguia sentir seu próprio hálito, como um vento miúdo fazendo esvoaçar os cabelos finos, perfumados, da cabeça do outro rosto.
Mas o outro rosto não se movia.

Com toda a suavidade que era capaz, e era muita, tomou entre as mãos o outro rosto e foi aproximando sua boca da boca do outro rosto.
Até seus lábios tocarem nos lábios do outro rosto, à espera de que a saliva da própria boca umedecesse também a boca daquele outro rosto.
Com a ponta da língua, tentou abrir lentamente uma brecha entre os lábios do outro rosto.
Os lábios do outro rosto estavam secos e não se abriam.
E o outro rosto continuava sem se mover.

Mordeu então a boca do outro rosto.
Primeiro de leve, depois mais forte.
Cada vez mais faminto, arrancando pedaços de uma maçã vermelha.
Mordeu os lábios, o queixo, e também as faces e o nariz e os olhos do outro rosto.
Com doçura, com paixão, com ansiedade e fúria.
Mas o outro rosto não se movia.

Da mesma forma como tinha aproximado do seu o outro rosto, afastou-o com as duas mãos iradas.
Uma das mãos segurou com força os cabelos finos, perfumados, enquanto a outra erguia-se para esbofeteá-lo uma, duas, várias vezes.
Um fio de sangue escorreu do canto da boca do outro rosto.
Que mesmo assim, não se movia.

Então apanhou a navalha que trazia no bolso.
Um click seco libertou a lâmina.
E num golpe veloz, num único gesto, com todo ódio que era capaz, e era muito, cortou a pele macia do outro rosto.
E o outro rosto, lavado de sangue, ainda assim não se movia.

Então apanhou a pedra que trazia no bolso.
Ergueu-a no ar e com um golpe duro bateu na boca do outro rosto, para quebrar- lhe os dentes.
Os cacos escorreram pelos cantos da boca, pedras num rio de sangue.
Cortado, os dentes quebrados: o outro rosto não se movia.

Então apanhou o estilete agudo que trazia no bolso.
E com um golpe preciso, furou os dois olhos do outro rosto.
Cortado, dentes quebrados, olhos vazados: e não - o outro rosto não se movia.

Afastou o próprio rosto e contemplou novamente o outro rosto.
Embora destruído, o que restava do outro rosto continuava belo, e ainda imóvel, e também indecifrável.
Então percebeu: o outro rosto não era um rosto vivo.
O outro rosto era uma máscara morta sobre um outro rosto vivo. 

Estendeu as duas mãos e arrancou a máscara do outro rosto.
Por trás da máscara, por baixo do outro rosto estava o rosto dele mesmo.
Inteiro e sem ferimento algum, o rosto dele mesmo.
E era lindo, o próprio rosto vivo por trás da máscara morta do outro rosto.

Ele ficou olhando o próprio rosto.
Ele estendeu as mãos e tocou o próprio rosto com todo carinho - e eram hirto, esse carinho - que era capaz.

Foi então que o próprio rosto - que não era o outro rosto nem o rosto de outro, mas sim o próprio rosto vivo por trás da máscara morta de outro rosto - finalmente começou a se mover.

E disse:
Mais nítido que as ruas sujas, reata o hexagrama das cores do arco-íris suspenso no céu.

Caio Fernando Abreu - O Estado de S. Paulo, 22/10/1986

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...