De Mãe para Mãe

Carta enviada de uma mãe para outra mãe em SP, após um noticiário na TV:

Vi seu enérgico protesto diante das câmeras de televisão, contra a transferência do seu filho, menor infrator, das dependências da FEBEM, em São Paulo, para outra dependência da FEBEM, no interior do Estado.

Vi você se queixando da distância que agora a separa do seu filho, das dificuldades e das despesas que passou a ter para visitá-lo, bem como de outros inconvenientes, decorrentes daquela transferência.

Vi também toda a cobertura que a mídia deu para o fato, assim como vi que não só você, mas igualmente outras mães na mesma situação que você, contam com o apoio de Comissões Pastorais, Órgãos e Entidades de Defesa de Direitos Humanos, ONGs, etc…

Eu também sou mãe e, assim, bem posso compreender seu protesto. Quero com ele fazer coro.

Enorme é a distância que me separa do meu filho.
Trabalhando e ganhando pouco, idênticas são as dificuldades e as despesas que tenho para visitá-lo.

Com muito sacrifício, só posso fazê-lo aos domingos, porque labuto, inclusive aos sábados, para auxiliar no sustento e educação do resto da família…

Felizmente conto com o meu inseparável companheiro, que desempenha para mim importante papel de amigo e conselheiro espiritual.

Se você ainda não sabe, sou a mãe daquele jovem que o seu filho matou estupidamente num assalto a uma vídeo-locadora, onde meu filho trabalhava, durante o dia, para pagar os estudos à noite.

No próximo domingo, quando você estiver abraçando, beijando e fazendo carícias no seu filho, eu estarei visitando o meu e depositando flores no seu humilde túmulo, num cemitério da periferia de São Paulo…

Ah! Ia me esquecendo…
E também ganhando pouco e sustentando a casa, pode ficar tranqüila, viu, que eu estarei pagando de novo, o colchão que seu querido filho queimou lá na última rebelião da Febem.

Nem no cemitério, nem na minha casa, nunca apareceu nenhum representante destas "Entidades" que tanto lhe confortam, para me dar uma palavra de conforto, e talvez me indicar "Os meus direitos”!

Se concordar, circule este manifesto!
Talvez a gente consiga acabar com esta inversão de valores que assola o Brasil.

DIREITOS HUMANOS SÃO PARA HUMANOS DIREITOS

Imagem: Mother and Son by AphotoFrenzy


Will Smith


Quando eu cantava Rap
Diziam que a música era sem sal e sem açúcar

Quando eu comecei a ser ator
Diziam que eu era apenas um maluco no pedaço

Quando eu fui fazer filme
Diziam que eu só sabia fazer comédia

Eu não os escutei

Quando era pequeno meu pai me disse:
- “Filho, você pode ser o que quiser na vida.
   Um muro não nasce pronto.
   Ele é feito tijolo por tijolo.”

E assim construí minha carreira, tijolo por tijolo.

Não sou talentoso, só um pouco…
Sou doente por trabalho duro…
Outros dorme… Eu trabalho
Outros comem… Eu trabalho
A câmera sente… Sou feliz trabalhando
Eu amo viver. Não dá pra fingir.

Foi assim que
Fui o primeiro Rapper a ganhar um Grammy…
Vendi milhões de discos…
Gravei seis anos “Um Maluco no Pedaço”…
Fui indicado por duas vezes ao Oscar, com filme de drama…
Virei estrela de Hollywood na calçada da fama….
Quase todos os meus filmes fizeram sucesso…

Por isso lhe digo…
Deixe seu sorriso mudar o mundo.
Não deixe o mundo mudar o seu sorriso.

Sua família, seu trabalho, sua vida têm que significar algo
Quero que o mundo seja melhor porque Eu estive aqui

Se você não está fazendo a vida de alguém melhor,
Você está desperdiçando o seu tempo.
Sua vida será melhor ao proporcionar o melhor na vida de outra pessoa.
Will Smith
Imagem: Will Smith by Mocasta




video




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...